Dom Odilo Pedro Scherer

Cardeal Arcebispo de São Paulo, sendo o décimo nono bispo da cidade e seu sétimo arcebispo.

Nasceu no Rio Grande do Sul, na cidade de Cerro Largo em 21 de setembro de 1949. Filho de Edwino Scherer e Francisca Wilma Steffens Scherer, é descendente de imigrantes alemães da região do Sarre (Saarland) radicados no Rio Grande do Sul. É parente distante do falecido Cardeal Dom Vicente Scherer.

Realizou seus estudos preparatórios no Seminário Menor São José, em Curitiba. A Filosofia foi cursada no Seminário Maior Rainha dos Apóstolos, também em Curitiba, e na Faculdade de Educação da Universidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul (1970-1975). Cursou Teologia no Studium Theologicum, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em Curitiba. É mestre em Filosofia e doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (1994-1996); e doutor em Teologia, pela Pontifícia Universidade Gregoriana, de Roma (1988-1991).

Foi ordenado presbítero no dia 7 de dezembro de 1978, em Toledo no Paraná.

Foi reitor e professor no Seminário Diocesano São José, em Cascavel (1977-1978); no Seminário Diocesano Maria Mãe da Igreja, em Toledo (1979-1982 e 1993); professor de Filosofia na Faculdade de Ciências Humanas Arnaldo Busatto, em Toledo (1980-1985); na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, em Toledo (1985-1994); Professor de Teologia no Instituto Teológico Paulo VI, de Londrina (1985); Vigário Paroquial e Cura da Catedral Cristo Rei, de Toledo (1985-1988); Reitor do Seminário Teológico de Cascavel (1991-1992); Diretor e professor do Centro Interdiocesano de Teologia de Cascavel (1991-1993); Reitor do Seminário Diocesano Maria Mãe da Igreja (1993); Membro da Comissão Nacional do Clero da CNBB (1985-1988); da Comissão Teológica do Regional Sul II (1992-1993); Oficial da Congregação para os Bispos, na Cúria Romana (1994-2001).

Em 28 de novembro de 2001 foi eleito bispo titular de Novi e auxiliar de São Paulo, aos 52 anos. Recebeu a ordenação episcopal , em 2 de fevereiro de 2002, sendo sagrante principal o cardeal Dom Cláudio Hummes OFM, arcebispo de São Paulo, e consagrantes: Dom Armando Círio OSI, arcebispo emérito de Cascavel, e Dom Anuar Battisti, então bispo de Toledo. No dia 9 de março de 2002, tomou posse como bispo auxiliar de São Paulo.

No dia 20 de Março de 2007, foi nomeado pelo Papa Bento XVI como o sétimo arcebispo de São Paulo, a terceira maior arquidiocese católica romana do mundo.

 Brasão e lema

Descrição: Escudo eclesiástico, terciado em ponta (ou pira): o 1º de jalde, com uma cruz de goles com resplendor de blau, companhada de uma estrela de cinco pontas do mesmo, no cantão destro da ponta; o 2º de sinopla, com um in-fólio aberto de argente; e o 3º de blau com um pão partido de jalde. O escudo, assente em tarja branca, na qual se encaixa o pálio branco com cruzetas de sable. O conjunto pousado sobre uma cruz trevolada, de dois traços, de ouro. O todo encimado pelo chapéu eclesiástico com seus cordões em cada flanco, terminados por quinze borlas cada um, postas: 1, 2, 3, 4 e 5, tudo de vermelho. Brocante sob a ponta da cruz um listel de jalde com a legenda: IN MEAM COMMEMORATIONEM, em letras de blau.

Interpretação: O escudo obedece as regras heráldicas para os eclesiásticos. O 1º campo, de Jalde (ouro) simboliza: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio; e a cruz é símbolo máximo do cristianismo, instrumento da nossa redenção, sendo de goles (vermelho) simboliza o fogo da caridade inflamada no coração do bispo, bem como valor e socorro aos necessitados, e ainda o martírio do Apóstolo São Paulo; o resplendor simboliza a luz que brota da cruz; e a estrela representa Nossa Senhora que esteve, de pé, junto à cruz, ao lado do seu Divino Filho, sendo que seu esmalte blau (azul): significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza. O campo de sinopla (verde) representa: esperança, liberdade, abundância, cortesia e amizade, e o in-fólio é uma referência aos Santos Evangelhos e ao Apóstolo São Paulo, padroeiro do estado e da arquidiocese . O campo de blau (azul), além do significado deste esmalte, acima descrito, também simboliza o firmamento celeste e o manto de Nossa Senhora; o pão é símbolo do Santíssimo Sacramento da Eucaristia, e estando partido simboliza a fraternidade e lembra o mandato do Senhor, que ao instituir este sacramento, ordenanou que a celebração da Santa Missa fosse feita em sua memória. O lema também faz referência a esta passagem evanléica: “Em memória de mim” (Lc. 22,19).

Atividades no episcopado

Foi bispo auxiliar de São Paulo (2002-2007); secretário-geral da CNBB (2003-2007); secretário-geral adjunto da V Conferência Geral do Episcopado da América Latina CELAM e do Caribe, em maio de 2007.

Cardinalato

Em 24 de novembro de 2007, foi criado cardeal pelo Papa Bento XVI, no Consistório de 2007, na Basílica de São Pedro, recebendo o título de Cardeal-Presbítero de Santo André no Quirinal.

 HOME